Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Lisboa – Pouco público num dos mais rematados cartéis lisboetas

  • 2017-06-09 04:20
  • Autor: Solange Pinto


A Praça de Touros do Campo Pequeno, recebeu a terceira corrida do seu abono 2017, e teve em praça os cavaleiros, Rui Fernandes, João Moura Caetano e Leonardo Hernández. Lidaram-se touros da ganadaria Irmãos Moura Caetano, com as pegas a cargo dos Forcados Amadores de Alcochete e Turlock.
CRÓNICA DA CORRIDA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Esperava-se mais num dos mais rematados cartéis lisboetas. Pouco mais de um quarto de casa forte, para ver um cartel de três figuras jovens, competitivas e com estilos de toureio que concorrem entre si. Condições reunidas, não fosse o facto, de estarmos praticamente a meio do mês, de haver já muita gente de férias, de estarmos em plenas festas de Lisboa e mais, se não fosse o facto, de estarmos a escassos dois dias da realização do cartel do ano, em Santarém.

No que ao resultado da corrida concerne, contam-se três actuações de bom nível. Uma para cada um dos toureiros. Rui Fernandes, destacou-se de forma mais ‘audível’ no segundo do seu lote, toiro frente ao qual pode exibir mais recursos quer técnicos, quer mesmo no que a variedade de sortes concerne, chegando mesmo a cravar um par de bandarilhas. Andou bem, alegre, dominador e comunicativo… Dono dos acontecimentos mesmo e quando, o seu lote de toiros pouco transmitiu. Fernandes pôs tudo o que faltava aos ‘inimigos’, resultando muito positiva a sua passagem pela praça onde há dezanove anos recebeu alternativa.

João Moura Caetano voltou a pisar a arena da capital, depois de um tempo de um tempo de ausência no mais importante tauródromo luso. Andou fantástico no primeiro, dando verdadeira lição de temple e ‘despaciosidad’ com o Temperamento. Ferros de grande nota, com batida suave ao piton contrário, muita elegância e classe. Frente ao segundo, recordam-se três soberbos compridos, que, a analisar, valeriam música imediata. Continuou com o Xispa e mais uma série de bons curtos.

Leonardo Hernández viria a triunfar na lide com que se encerraram as exibições equestres. Andou bem de verdade frente ao último astado do festejo, sendo que a sua lide, ganhou expressão com um par de bandarilhas de grande verdade e maior valor. Seguiram-se mais três palmos ‘al violin’ e mais um, como remate de uma muito boa actuação.

Frente ao primeiro do seu lote, Leonardo andou de menos a mais, tendo por diante um toiro que acabaria por ser o menos manejável do festejo. Ainda assim, a não atribuição de música e os insistentes toques para que terminasse a sua prestação, pareceram-nos excesso de exigência para com o rejoneador espanhol.

No sector da forcadagem, foram os ‘estrangeiros’ de Turlock os que acabariam por manter o registo da regularidade. Duas pegas ao primeiro intento e uma ao segundo, efectivas pelo cabo George Martins, Steven Cambaio e David Sánchez.

Pelos de Alcochete, brilhou Nuno Santana frente ao último do lote, com uma boa pega ao primeiro intento, sendo as restantes consumadas por Pedro Viegas e Diogo Timóteo à quarta e segunda tentativas.

A estreia da ganadaria Irmãos Moura Caetano, não foi a mais desejada. Embora com bom fundo e vontade de investir, a verdade é que a característica comum do curro, foi a escassez de força e falta de transmissão.

Dirigiu o festejo o Sr. Tiago Tavares, coadjuvado pelo Dr. Jorge Moreira da Silva.

Meteorologia