Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Vasco Durão lamenta sobreposição de datas a 30 de Setembro

  • 2017-09-12 15:05


Espectáculos de Santarém a favor das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande a 30 de Setembro coincidem com data de Alcácer e Póvoa de São Miguel

O empresário Vasco Durão, enviou às redacções um comunicado, que transcrevemos na íntegra em seguida, onde se manifesta contra a data encontrada para a realização dos espectáculos a 30 de Setembro, em Santarém, a favor das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande, por estes serem coincidentes com as datas de Alcácer e Póvoa de São Miguel.
Fica em seguida o comunicado:

Sobre “Santarém a favor das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande”

- Anuncia-se para o próximo dia 30, em Santarém, um conjunto de espectáculos taurinos, a favor das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande. Esta data, sem qualquer historial em Santarém, coincide com 4 datas tradicionais: Évora (dia 29), Alcácer do Sal e Póvoa de S. Miguel (dia 30) e Vila Franca de Xira (dia 1). Esta coincidência, em nada beneficia estas corridas, pelo contrário.

- Faz algum sentido organizar um evento desta magnitude e não contar com os Grupos de Forcados de Santarém e Montemor, ou com cavaleiros como João Moura, Rui Salvador e Luís Rouxinol, por exemplo, que actuam nesse dia?

- Santarém teve uma data tradicional em Outubro, o terceiro fim de semana, em que se celebrava a Feira da Piedade. Porque não recuperar essa data, aproveitando para organizar em redor da Praça uma Feira, com restaurantes, tasquinhas, lojas, artesanato, etc.?

- Estas corridas, se por um lado prejudicam as datas tradicionais, também por elas são prejudicadas. Salvo raras excepções, nenhum aficionado que vá a uma das datas tradicionais, irá também a Santarém. Estamos a falar de 7 ou 8.000 pessoas que, noutra data, iriam a Santarém, e assim deixam de ir. São 7 ou 8.000 pessoas que deixam de comprar o seu bilhete, diminuindo enormemente a receita a reverter a favor das vítimas dos incêndios. E é disso que se trata, ou não?...

- Esta ânsia de montar à pressa, este conjunto de espectáculos, na véspera das eleições, deixa antever que haja aqui algum interesse eleitoralista… Infelizmente, sempre que a política se aproxima da Tauromaquia, é para dela se aproveitar.