Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Primeira da Moita – Castella e…

  • 2017-09-12 22:02
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se, hoje à tarde, na Moita, uma corrida de touros mista, com as presenças dos cavaleiros Luís Rouxinol, Luís Rouxinol Jr. e dos espadas, Sebastián Castella e Joaquim Ribeiro Cuqui.
As pegas estiveram por conta dos forcados do Grupo de Amadores da Moita, sendo lidados toiros das ganadarias de Palha, Oliveira Imãos e Paulo Caetano.
A Praça de Toiros Daniel do Nascimento, registou cerca de um terço de entrada, sendo o triunfo maior, de Seastián Castella!
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

A Moita foi hoje palco da primeira de três corridas integradas nas Festas em Honra de Nossa Senhora da Boa Viagem e foi, real e efectivamente, uma boa viagem aquela que fez o francês Sebastián Castella até terras de Portugal…

Foi Castella quem bordou o toureio, foi Castella, quem se entregou como se disto precisasse para se sagrar Figura do Toureio, foi Castella, quem provou, que ser Figura, é entregar-se cada dia, em cada compromisso, esteja ou não praça cheia…

E não esteve. A tradicional corrida do feriado da Moita, a Corrida do Município, foi fracota em público. Cerca de um terço de entrada, pouco ambiente e… é certo que pouco depois do início do festejo primeiro do ‘abono’, jogavam dois dos três mais expressivos clubes de futebol, mas bolas, já houve ‘episódios’ destes e tudo se deu e com mais ambiente…

Coisas à parte e volto a Castella.

Dono de uma fria plasticidade, de um frio mas fino conceito da arte de tourear, Castella, andou ‘por todo lo alto’ frente aos dois toiros. Não deu volta no primeiro por opção sua… por uma inapropriada humildade. Merecia uma volta, noutros tauródromos, quiçá duas… Andou de capote, muito variado, mas, nas veronicas ‘gostou-se’, muito…

Na muleta, duas faenas inteiras, até construídas, não digo inventadas porque os toiros de Caetano tinham ‘sumo’, mas espremeu-os até mais não escorrer… liquido.

Solvente por ambos os pitons, lento, sem pressas, mas sem parar… A faena do último começou com um compêndio… com a sua marca da casa, no centro da arena, com passes cambiados pelas costas… Depois um recital, até que o oponente se rachou, mas Castella não, continuou inteiro, na busca de emoção, arrimando-se, obrigando o exemplar de Caetano a continuar…

Mal Manuel Gama, a dar música tardiamente. A primeira série, é das tais que merece música, logo! Os acordes tocaram depois da terceira ‘tanda’. Mal!

Joaquim Ribeiro ‘Cuqui’ teve na Moita uma oportunidade de ouro. Não a desaproveitou, de todo! Mas não esqueçamos que é novilheiro e pouco plazeado. Andou esforçadíssimo, fez o que pôde e diga-se, que os seus oponentes foram dos mais bruscos. Presença digna, pese embora o desequilíbrio entre um matador de carreira abastada e um novilheiro com pardas oportunidades.

Luís Rouxinol abriu a função com uma prestação timbrada pela regularidade. Andou sobretudo melhor com os ladeios de Douro e a o par de Antoñete.

Luís Rouxinol Júnior, pautou-se também pela regularidade até que animou as bancadas com um violino de palmo e outro palmito. Foi muito aplaudido, sendo dele a melhor prestação equestre.

Os cavaleiros, lidaram um Palha e Oliveira, Irmãos, respectivamente. Anunciavam-se dois exemplares de Palha, sendo um deles substituido, sem mais explicações nem 'avisos'...

Fábio Silva e Luís Lourenço, efectivaram pegas ao primeiro e segundo intentos, respectivamente, vestindo a jaqueta dos Amadores da Moita.

Dirigiu o Sr. Manuel Gama, com excesso de benevolência no sector equestre e excesso de exigência no sector de ‘a pé’.

Na primeira da Moita… foi Castella e…

Meteorologia