Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Duarte Fernandes: 'Tentarei que o meu toureio seja verdadeiro e de risco'

  • 2019-01-29 22:05


Escassos dias antes do seu primeiro compromisso na presente temporada, no dia 9 de Fevereiro, em Granja, o TouroeOuro foi medir o pulso e tentar conhecer melhor o jovem Duarte Fernandes.
Com apenas 17 anos de idade, o dinástico ginete, sobrinho de Rui Fernandes, confessa 'sou sobrinho de Rui Fernandes, que é um grande cavaleiro e tentarão rever sempre um pouco dele, em mim… quererão ver sempre o melhor de mim e será grande uma responsabilidade… mas tentarei sempre, dar luz ao nome'.

TouroeOuro (TeO) – Duarte, começas a temporada dia 9 de Fevereiro, digamos que, de uma forma mais a ‘sério’…

Duarte Fernandes (DF) – É verdade, vou começar este ano, a tourear mais cá em Portugal, também já tenho uma corrida em França, em Mejanes, e é quando me sinto já com grande responsabilidade, por ser o ano em que darei os primeiros passos, para seguir com ‘isto’ para a minha vida e agora é treinar para conseguir estar bem em todos os compromissos e fazer uma boa temporada.

TeO – Todo o ‘mundo taurino’ te conhece por seres sobrinho de quem és, Rui Fernandes. Achas que é uma responsabilidade acrescida?

DF – Sim, é uma responsabilidade. Tem as suas partes boas, ou seja, dá o nome, mas tem também as suas partes más, que é por exemplo as pessoas terem sempre uma expectativa alta, pois sou sobrinho de Rui Fernandes, que é um grande cavaleiro e tentarão rever sempre um pouco dele em mim… quererão ver sempre o melhor de mim e será sempre uma responsabilidade… mas tentarei sempre, dar luz ao nome!


TeO – Sento tu sobrinho de Rui Fernandes, esperarão todos, que tenhas um estilo mais tremendista e que sejas o seguidor do estilo que o teu tio foi implementando e impondo ao longo de mais de vinte anos de toureio. É esse o estilo que procuras ou queres pôr algo teu?

DF – O meu tio sempre me ensinou a olhar também para outros toureiros e outros estilos, prestar atenção aos colegas dele e àqueles que serão também os meus colegas, ver, aprender e adquirir o melhor de cada um… todos tem coisas piores e melhores e eu procuro ver as coisas boas de cada um, para poder aí, definir como vai ser o meu toureio…

Ainda é muito cedo e ainda tenho que tourear muito mais para definir o meu estilo, mas tentarei sempre que seja um toureio verdadeiro e de risco, tentarei dar sempre vantagem ao toiro e andar sempre no limite que é o que realmente é mais bonito…

TeO – Nota dominante dos dois cartéis que já se conhecem, Granja e Mejanes, é o facto de estares ‘metido’ entre os ‘leões’… Terá uma parte boa, sinal que apostam em ti, mas, é também uma maior responsabilidade…

DF – A responsabilidade é mesmo muita, aparecer com estas figuras do toureio, toureiros de facto importantes, tenho de tentar estar à altura ou pelo menos, exceder as expectativas que tenham a meu respeito, mas acho que isso também é uma coisa… Vou tentar não falhar, embora erros todos possamos cometer. Mas, eu tenho sempre o pensamento muito positivo, e mais, trabalho todos os dias para poder estar à altura de todos!

TeO – Duarte, conta-nos como é a tua vida, ou seja, tens a escola, os cavalos, ou seja, como fazes a gestão da tua vida e do teu tempo, uma vida diferente para um miúdo de 17 anos…

DF – É verdade, não digo que seja difícil, mas eu lá vou conseguindo conciliar a escola com os cavalos. A verdade, é que acredito que quando se quer muito uma coisa e quando se quer muito, temos de estar a 300 por cento nisto. Tento conciliar tudo, estando no entanto 100 por cento dedicado aos cavalos, abanando um pouco a minha vida pessoal e a minha vida escolar, mas é algo que tenho de aprender e são sacrifícios que eu quero fazer, são as minha escolhas, o que quero fazer e acredito que com muito trabalho, dedicação e concentração, se consegue alcançar o que se deseja.

TeO – Depois da Granja, o que vamos ter mais em Portugal?

DF – Confesso que ainda não sei. É o meu tio que trata de tudo isso e só quando há algo com 100 por cento de certeza que vai para a frente é que me diz… Mas é trabalhar e as coisas irão aparecendo…

TeO – O foco está na Granja, correcto?

DF – Exactamente. O foco está na Granja, que é a primeira e depois aí logo haverá tempo para pensar nos próximos compromissos e é continuar a trabalhar, sempre…