Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Granja – Os bons, a novidade e os desacorrentados…

  • 2019-02-09 19:28


Realizou-se na tarde deste Sábado, na Granja, um Festival Taurino, com cartel composto pelos cavaleiros Rui Fernandes, Filipe Gonçalves, Moura Júnior, João Ribeiro Telles, António Prates e Duarte Fernandes, com novilhos-toiros de diversas ganadarias.
As pegas e pelos motivos que se conhecem, foram consumadas e bem, pelos Grupos de Forcados Amadores de Riachos e Académicos de Coimbra.
Boa entrada de público, em tarde soalheira.
CRÓNICA DO FESTIVAL
GALERIA FOTOGRÁFICA

Tudo se fez… ah pois é…!

Mesmo sem grupos de forcados da ANGF, a verdade é que, o Festival Taurino da Granja, foi por diante e foi… bem! Sem amarras, como convém…

Perde quem ‘arma’ o desassossego, mas, em concreto, não perderam os aficionados. Esses, os aficionados que compareceram em muito bom número, à Granja, ganharam o facto de poder presenciar um grande espectáculo, com bons momentos de toureio e sobretudo, a grande novidade da temporada. Duarte Fernandes!

Começo exactamente pelo fim e pela actuação do jovem cavaleiro amador, Duarte Fernandes.

Ar fresco, mas, a certeza de que aqui nasce uma dinastia… promissora prestação do ‘loirinho’ que agarrou a atenção do público desde o primeiro momento. Simplicidade, sentido de estética, imagem a ‘vender’ e o mais importante, claro está, sabe ao que anda. Não é uma cópia de seu tio, Rui Fernandes, mas é, o melhor da sua obra, disso, não tenhamos dúvidas. Andou com calma, a medir a investida do oponente de Ribeiro Telles, deixando os compridos com eficácia. Nos curtos, saca o ‘Artista’ e dá um banho de temple, de correcção, de ‘graça’… o último curto, é quase e olhem que não exagero, quase diria, de antologia.

Abriu a tarde, frente a um novilho de Romão Tenório, Rui Fernandes. Muito boa actuação, com a sua costumeira segurança e sentido artístico apurado. Cravou com exactidão, bregando a duas pistas, rematando os derradeiros ferros, com piruetas ajustadas.

Filipe Gonçalves, foi também dono de uma prestação de nível muito agradável. Andou correcto, dando nota do seu bom momento, ligando-se ao oponente de Núncio, andando sempre muito em curto.

Moura Júnior foi o terceiro cavaleiro a actuar na soalheira tarde de inverno. O novilho de Romão Tenório, mais escasso em trapio que os restantes do elenco, acabaria por cumprir na sua passagem pela arena. Moura andou muito correcto, bem interpretando o toureio, andando fiel ao seu conceito.

Neste ‘conjunto’ de figuras, houve ainda a prestação de João Telles Júnior. Telles andou correcto e valente, sobretudo depois, de ter sofrido aparatosa queda, fruto de um escorregão do seu cavalo. Telles foi colhido, sendo que afortunadamente, saiu ileso do percalço.

Telles lidou um novilho de Ribeiro Telles.

O jovem toureiro António Prates, lidou de menos a mais, a muito mais. Foi seu um dos grandes ferros da tarde, numa prestação pautada quiçá por excesso de velocidade, mas também, por grande sentido artístico e de ligação de ‘faena’. Andou com vontade de dar nas vistas e sim deu…! Boa actuação.

Correctos e com muita regularidade, andaram os forcados dos dois grupos que embora não em cartel, foram os encarregues de rematar as lides da tarde, com as costumeiras pegas…

Pelos de Riachos, em consumações ao primeiro, segundo e primeiro intentos, estiveram na cara dos toiros André Clemente, Ruben Branco e Fábio Tomás.

Com três pegas à primeira tentativa, estiveram pelos Académicos de Coimbra, Gonçalo Amaral, Francisco Gonçalves e Guilherme Carvalho.

O festejo foi dirigido pelo Sr. Agostinho Borges, coadjuvado pelo Dr. Matias Guilherme.