Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Serpa – Vento e frio que arrefeceram as bancadas

  • 2019-04-20 22:21
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na tarde de sábado, em Serpa, um Festival Taurino com cerca de um terço forte de entrada.
Actuaram frente a reses de diversas ganadarias, os cavaleiros António Telles, Ana Batista, Miguel Moura, Mara Pimenta e António Telles filho, bem como o diestro Manuel Dias Gomes.
As pegas estiveram a cargo dos Amadores de Moura e Beja.
CRÓNICA DO FESTIVAL
GALERIA FOTOGRÁFICA

Pese embora o facto de pairarem em Serpa, nuvens absolutamente ameaçadoras, a verdade é que o tradicional Festival Taurino realizado por ocasião da Páscoa, foi por diante.

Graças a Nossa Senhora de Guadalupe, nem uma gota caiu, mas, é de salientar, o vento persistente e incomodativo que se fez sentir na localidade alentejana e que, sem sombra de dúvida, arrefeceu o ambiente e até, condicionou…

Actuaram cinco cavaleiros e um matador de toiros, estando as pegas do festejo, a cargo de dois grupos de forcados.

Abriu o veterano em cartel, António Telles, estando em plano agradável, bem ao estilo clássico.

Ana Batista, lidou o exemplar de maior trapio, andando em timbre regular, lidando de menos a mais, deixando a terminar, um bom curto.

Miguel Moura, lidou o terceiro da ordem, recriando-se no seu costumeiro conceito ligado. Lidou em tom crescente.

A jovem Mara Pimenta lidou com alguma instabilidade, sendo que ainda assim, ‘recuperou sitio’, evoluindo na sua prestação, terminando com música. Evidenciando ‘verguenza torera’, entendeu não dar volta, entretanto autorizada.

A encerrar praça, esteve o jovem António Telles filho. Boa actuação, com ritmo e bom entendimento do oponente. Terminou com um palmito de boa nota.

As pegas estiveram a cargo dos Amadores de Moura e Beja. As quatro primeiras pegas, precisaram de um par de tentativas ou mais para ser consumadas, sendo que apenas a última, foi efectivada ao primeiro intento, com quatro elementos de cada grupo. Foram caras, por ordem, Luís Branquinho, Joaquim Carrasco, Gonçalo Malato, Vasco Palma e Ismael Amador.

Depois do intervalo, saiu à arena para a lide de um exemplar da ganadaria de Varela Crujo, Manuel Dias Gomes. Gomes andou discreto em capote e solvente com a flanela rubra, numa faena brindada ao antigo matador de toiros, José Trincheira.

A cavalo, lidaram-se reses de São Martinho, Ascensão Vaz e Canas Vigouroux.

O festejo com um terço de entrada, realizou-se com direcção a cargo de Marco Gomes.