Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Vila Franca – A terra onde se aplaudem os toiros e os bons toureiros

  • 2019-10-09 02:20
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na noite de terça-feira, a tradicional corrida de encerramento da Feira de Outubro, em Vila Franca de Xira.
Assim sendo, a Palha Blanco, abriu portas de forma a receber um cartel composto pelos cavaleiros António Telles, João Moura Júnior e João Ribeiro Telles, com pegas unicamente a cargo do Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca de Xira.
A Praça de Touros de Vila Franca de Xira, registou uma entrada que rondou os três quartos de casa.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Vila Franca não encheu e foi uma pena. Três quartos fortes, não é mau saldo, tendo em conta que a uma terça-feira à noite, é preciso disposição para ir aos toiros. Contudo, o cartel tinha a sua ‘graça’ e o curro de toiros apresentado prometia seriedade, o que se viria a verificar, sobretudo em apresentação. O que foi devolvido aos currais, o segundo da ordem de lide, ganharia o prémio ‘apresentação’ sem lugar a dúvidas e Vila Franca, sabe reconhecer isso… Aplaudiu-o à sua entrada na arena, enchendo os ouvidos e enchendo com toda a certeza de orgulho os ‘paisanos’ desta terra…

O mesmo se passa com os toureiros. Sabemos todos que a Palha Blanco tem as suas preferências, mas, importante é ‘desarmar os partidarismos’, quando chega ‘um’ dos de fora e arma o taco… Falamos de Moura Júnior e das duas Mourinas, brilhantemente executadas por si, recriando uma sorte antiga de seu pai. Vila Franca esteve a seus pés, de forma inequívoca.

Moura Júnior viu o primeiro do seu lote ser devolvido aos currais, depois de bem o ter recebido. Lesão evidente, obrigando o ginete a lidar de imediato o segundo do seu lote. Cravou o primeiro em sorte de gaiola, seguindo para uma série de curtos de boa nota, em duas fases distintas de uma lide que agradou, sem que rompesse como a segunda. Desta feita, enfrentando-se com o mais pesado do festejo e que por sinal era o ‘sobrero’, armou o taco. Outra sorte de gaiola, aguentando a investida do oponente e a passo construiu uma lide que acabou premiada com duas voltas à arena. Os primeiros curtos foram bons, mas as Mourinas das melhores da temporada, sobretudo pela forma como rematou.

António Telles, não viveu frente ao primeiro da noite, uma das suas mais brilhantes lides, em Vila Franca. Um forte toque na montada e uma actuação que apesar de em crescendo, nunca atingiu o auge de outras ocasiões. Frente ao segundo, foi ‘mais’ António Telles, cravando o primeiro em sorte de gaiola, resultando num bom comprido. Tudo o resto aconteceu também em tom crescente, rubricando uma boa actuação, com bons curtos, na ‘sua’ Palha Blanco, sendo por isso reconhecido com fortes ovações.

João Ribeiro Telles começou por ser protagonista de uma exibição com as ‘suas coisas’, ou seja, depois dos compridos, veio o toiro de largo e Telles não cravou, dando meia volta a rectificar posição. O público ‘deu sinal’ de protesto pelo facto do ginete não ter aguentado, sendo que talvez por isso e pelo tal orgulho, ao segundo curto aconteceu o mesmo, partindo o toiro ao seu encontro e Telles, não se ‘negou’, ouvindo aí a primeira ovação da noite.
Boa primeira lide, coerente, com bandarilhas de boa nota, com batidas ao piton contrário.
Frente ao segundo o filme não resultou tão ‘luminoso’. Bem nas sortes iniciais, embora sem deslumbrar, sendo que para fazer crescer a sua prestação, sacou o Ilusionista. Mesmo aqui a inspiração não surgiu, tendo a sua montada-estrela sofrido um toque à saída da reunião. O ferro seguinte rectificou, mas Telles a rejeitar a volta arena, por sentir que esta não havia sido a sua noite…

Por tradição, esta corrida é pegada na íntegra pelo Grupo de Forcados Amadores de Vila Franca de Xira. As pegas, foram consumadas por Vasco Pereira, ao segundo intento; André Matos, com o mesmo número de tentativas, despedindo-se das arenas; David Moreira, Guilherme Dotti e Rui Godinho, ao primeiro intento e Francisco Faria, à terceira tentativa.

O curro de toiros de Passanha, como já foi referido, exibiu trapio na sua maioria, mobilidade e transmitiu, sendo que alguns ‘ofereceram’ maiores complicações e pediam as ‘credenciais’ aos toureiros.

A corrida, foi correctamente dirigida pelo Delegado Técnico Tauromáquico, Tiago Tavares, coadjuvado pelo médico veterinário, Jorge Moreira da Silva.s

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0