Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Moita - O Balanço da maior e mais importante Feira Taurina em Portugal

  • 2020-09-20 22:05
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Empresa Tauroleve, João Telles, Cuqui, Cláudio Miguel e um toiro de Palha são os grandes triunfadores do ano 2020 na Moita

Empresa Tauroleve:

'Contra ventos e marés' a Feira da Moita foi por diante e ainda bem que o foi, contrariando assim, as notícias que Nimes, daria a única Feira Taurina a realizar este ano, no mundo inteiro.
A Moita e a sua Daniel do Nascimento, abriram portas, numa aposta ganha pela Tauroleve, encabeçada pelo sério Ricardo Levesinho, montando uma 'cartelaria' digna e bem ao gosto da Moita.
Se inicialmente o organizador pensou apenas em levar por diante dois espectáculos, em boa hora decidiu levar a efeito a corrida de quarta-feira, com três diestros lusos. 
Os restantes elencos, tinham todos os ingredientes necessários. Uma figura espanhola, os dois grupos de forcados da terra e alguns dos toureiros do momento e até, oportunidades aos mais novos, como exemplo disso foi a inclusão de Tristão Ribeiro Telles.
Excelente entrada na Corrida do Município (terça-feira), uma entrada bem melhor do que se esperaria na quarta e uma lotação esgotada na quinta.
Parabéns à forma diplomática como a empresa resolveu e bem a substituição de Miguel Ángel Perera. Juanito foi boa opção dentro do pouco mais de 'par de horas' que tinha para resolver o tema.

João Telles - O triunfador a cavalo

Pese embora o facto de ter havido boas actuações de Luís Rouxinol, António Telles e Filipe Gonçalves, a verdade é que as duas ocasiões em que actuou João Ribeiro Telles, o fulgor e a vibração na Praça de Touros Daniel do Nascimento, foram diferentes... 
Se na terça-feira, João Telles já havia protagonizado triunfo, na quinta, confirmou o grande momento que atravessa e voltou a não mais que, triunfar novamente.
Com o Ilusionista, levantou o público e sem favor, será certamente, o nome que ficou da recordação desta atípica temporada.

Cuqui - Uma faena para ninguém pôr defeito

Seria impossível fazer qualquer balanço da Moita, sem se falar na coragem de Juanito ao aceitar substituir Miguel Ángel Perera. Coragem de não virar a cara e de reconhecer a importância da Moita e de um dos mais carismáticos tauródromos lusos.
E de Juanito continuamos a falar. Uma faena de terça e uma de quarta, fazem dissipar dúvidas a quem as tivesse. Juanito é um matador de toiros que deixou já a fase da promessa, passando a ser uma certeza. A faena que 'inventou' ao primeiro Palha do seu lote, foi inimaginável para quase todos que ali marcámos presença.

No entanto e pese embora tudo isto, há que reconhecer que a estrelinha esteve do lado de Cuqui. Foi dele, muito dele e repito, dele, a Feira Taurina da Moita 2020.
Que grande actuação frente a um monumental toiro de Palha. Mas, se os maus toiros pedem 'documentos', os bons também os pedem e podem destapar um mau toureiro e aqui, foi exactamente o contrário. Joaquim Ribeiro 'Cuqui', mostrou o que pode, com uma naturalidade invejável e que com toda a certeza, não se treina em tentas, ou se tem, ou não e Cuqui, pode muito...

Claúdio Miguel e os seus pares de bandarilhas

Este ano, a escolha de um triunfador no sector dos bandarilheiros, não oferecerá dúvidas. Muito bem Claúdio Miguel numa arte que sabemos que domina. A forma como bandarilhou o último (sobrero) da ganadaria Palha, foi de valor e justiça seja feita, com brilhantismo também por parte de Jorge Alegrias. A dupla saudou de 'montera en mano' a pedido de uma conhecedora afición moitense.

O segundo da ordem na quarta-feira - Palha e o toiro da feira 

Sejamos clarividentes e admitamos, que muito do interesse da corrida dos matadores lusos, residia na ganadaria a lidar. A prestigiada ganadaria Palha, costuma impôr, pedir contas e conhecimentos, e por isso, as bancadas da Moita, tinham por entre os espectadores, os verdadeiros amantes da tauromaquia com capotes e muletas.
O segundo toiro de Palha, a sair à arena moitense, no passado dia 16 de Setembro, é dos tais que engrandecem quem tem a oportunidade de os tourear. 
Justa volta à arena, com um lenço azul a surgir oportunamente.

Os forcados - Há noites assim... 

A primeira palavra é de louvor para o Grupo de Forcados Amadores da Moita, capitaneados por Pedro Raposo. Presença muito, mas mesmo muito digna, a 'pedir' mais oportunidades noutros tauródromos de relevo.

A segunda palavra, é para o Grupo de Forcados do Aposento da Moita e para o aniversário que ali foram comemorar. Não se cumprem 45 anos todos os dias e este era também, atractivo maior deste espectáculo.
A noite não foi exactamente redonda, mas, valeu pelo sentimento e pela forma como se viram antigos forcados fardados, dando tudo pelas suas jaquetas.

   

Os 70 anos da Praça de Touros Daniel do Nascimento

Passado tudo isto e à distância de uns dias passados, apenas se lamenta a não realização da novilhada, o que seria de todo impossível face à intempérie registada no distrito de Setúbal... Contudo e em jeito de conclusão, resta parabenizar a Moita em geral e a Sociedade Moitense de Tauromaquia, pela forma como conservam o seu tauródromo, estando como novo, aos seus 70 anos de 'vida'.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0