Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Até final de Abril é certo que tauromaquia não será “desconfinada”

  • 2021-02-07 21:41


Se há um ano atrás estávamos todos a tentar perceber o que ia acontecer, como ia acontecer e o que podíamos ou não fazer, agora já conhecemos relativamente bem o que nos trouxe a pandemia e o que podemos ou não fazer, de modo a proteger a nossa saúde.

O Correio da Manhã (CM), citando fonte do Governo, refere este domingo que “as medidas restritivas de combate à pandemia da Covid-19 vão manter-se até à Páscoa. O Governo apenas começará a aliviar estas medidas quando o número de novos casos de infetados cair para cerca de dois mil por dia, o que poderá acontecer na terceira semana de Março”, sendo que “os cafés e restaurantes deverão ficar encerrados até ao final de Abril”, pelo que facilmente se consegue depreender que a tauromaquia não regressará antes do final de Junho.

De acordo com a publicação generalista o Governo irá manter até ao final de Fevereiro, o confinamento geral; em Março, não está excluída a possibilidade de haver algum tipo de alívio ligeiro; e a partir de Abril, haverá desconfinamento no País, ainda que de forma faseada.

“A grande dúvida, na análise do Executivo, é saber como evoluirá, em Março, a pandemia. Se em Março é ainda difícil prever se haverá algum alívio, a expectativa é mais animadora para abril: a partir da Páscoa, 5 de Abril, admite-se a possibilidade de reabrir as escolas para alguns níveis de ensino e, no final do mês, poderão reabrir os cafés e os restaurantes”, refere a notícia do CM.

Mesmo assim, a intenção é fazer uma abertura gradual do País, com muito cuidado”, pelo que as actividades culturais deverão ser as últimas a regressar ao activo, se regressarem este ano, e sobretudo em condições muito especiais, podendo mesmo haver a necessidade da realização de um teste rápido à Covid-19, ou a exigência do “passaporte verde”, que leva a que o espectador tenha que ter sido vacinado e apresente um teste PCR negativo, com um prazo ainda a estipular.

Apesar de haver já quem comente que poderá este ano não haver tauromaquia, regressando possivelmente só em 2022, tudo indica que iremos ter uma temporada mais curta, a exemplo do que aconteceu em 2020, ainda que este ano o arranque possa acontecer somente em Julho ou mesmo já em Agosto.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0