Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Primeira da Moita - Tudo de Morante, com aroma a João Ribeiro Telles

  • 2021-09-15 02:45
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se na noite de hoje, aquela que foi a primeira de três corridas que integram a Feira Taurina da Moita.
Em praça, estiveram os cavaleiros João Moura e João Ribeiro Telles, bem como os forcados do Grupo de Amadores da Moita.
O cartel ficou completo com a presença de José António ‘Morante de la Puebla’.
Lidaram-se touros da ganadaria de Ribeiro Telles e Calejo Pires, sendo que o tauródromo ficou perto de encher a lotação permitida.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

A Moita é uma praça diferente e essa grande verdade, impõe-se com o passar dos anos.
Esta tauromaquia de Setembro, tão peculiar e tão amante do toureio a pé, gosta de Figuras e só assim, se sente absolutamente confortável.

Muitos foram grandes figuras que ao longo dos anos pisaram a arena da Praça de Touros Daniel do Nascimento.
Muitos ali receberam alternativa, muitos adoptaram este tauródromo como 'seu'...

A Moita, é com toda a certeza, um dos grandes palcos da tauromaquia lusa e jamais, nos poderemos esquecer disto.

A Moita, voltou a ser Moita com a vinda de José António Morante, 'Morante de la Puebla'.

Sob a batuta de Ricardo Levesinho, quase se terminou o papel, mesmo quando o São Pedro pareceu jogar contra tudo e contra todos. As tréguas de última hora, levaram por diante um espectáculo que prometia ser o que foi, agradável, com momentos bem passados.

A primeira corrida do elenco integrado nas Festas em Honra da Nossa Senhora da Boa Viagem, realizou-se, como dizia, com boa entrada de público e um público diferente, que apenas desiludiu, por não ter brindado Morante com uma ovação individualizada, de boas-vindas.
Este foi o pormenor ausente e que teria feito da Moita e do seu público de elite, ainda mais Moita!

Morante não defraudou.
Exactamente o inverso. Veio e veio em Figura do Toureio!
Visivelmente mais delgado, em forma portanto, este Morante, aquele que correu atrás do triunfo, é um Morante que agrada aqui e em qualquer parte do mundo.
Os toiros nem sempre nos querem fazer felizes, mas Morante quis.
Mesmo sem o contributo genuíno dos astados de Calejo Pires, Morante brilhou no primeiro, sobretudo em capote, com o 'saludo capotero' com algumas veronicas e chicuelinas.
De muleta, apenas o que pôde e mais não houve, seria impossível.
No segundo o inverso. Mais discreto em capote e depois, tirar água de um poço seco. Mas a água encheu o vasilha e Morante, conseguiu séries de grande nível, com o seu timbre indiscritível e que fizeram da sua vinda, um tempo ganho para quem o viu.

Abriu praça João Moura!
Moura surgiu na Moita de forma a substituir António Telles, ausente por estar ainda em recuperação da sua queda em Reguengos.
As suas duas passagens pela arena, decorreram em tom cumpridor e regular.
Do cômputo geral, destacam-se os dois primeiros curtos da sua primeira prestação.

No que concerne a João Ribeiro Telles, há a destacar, diria eu, coisas muito boas da segunda actuação frente a um excelente toiro, premiado com volta à arena do seu criador, mas sobretudo, a primeira actuação, função de uma beleza inegável.

Frente ao primeiro, deixou constância do grande momento que atravessa, ao lidar com suavidade, gosto e cadencia. Lide sem reparos, apenas com um aroma de bom gosto, em que os remates das sortes, foram de uma despaciosidad tal, que pareciam querer fazer parar os ponteiros do relógio.
Este é um toureio que 'cai' bem a Telles e que nos serve de perfeição.

Frente ao segundo, 'vestiu' outro conceito. O toiro foi excelente, bonito a investir e Telles, quis aproveitar todas essas vantagens e entregou-as ao oponente enquanto montou o Ilusionista. Chamou o toiro, fez a batida e deixou tudo e todos em alvoroço.
Entre um e outro ferro do Ilusionista, Telles consentiu forte toque na montada que quase derivou em colhida. Contudo, 'isto', não apaga o grande registo e os muitos quilates com que se apresentou na Moita, no primeiro dos seus dois compromissos nesta Feira.

As pegas foram asseguradas apenas e só pelo Grupo de Forcados Amadores da Moita, como de resto é tradição nesta terça-feira de Feira.
À cara dos toiros foram os forcados David Solo, efectivando ao fabuloso primeiro intento, arriscando-se a ser uma das pegas da temporada; João César, concretizando à segunda tentativa; Fábio Silva e Filipe Correia, ao primeiro intento.
O Grupo de Amadores da Moita, provou que merece mais do que uma terça-feira do Município... Seja na Moita ou noutro qualquer palco.

Lidaram-se toiros de Ribeiro Telles, com escassa transmissão à excepção do quinto, premiado com volta e de Calejo Pires, no geral, a não servir ao triunfo de Morante.

O espectáculo foi dirigido pelo Delegado Técnico Tauromáquico, Fábio Costa, mal na atribuição tardia de música a Morante no segundo do seu lote, assessorado pelo médico veterinário, Jorge Moreira da Silva.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0