Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Velcro na tauromaquia pode ser ‘cola’ para o Orçamento 2022

  • 2021-10-18 15:48
  • Autor da Foto: D.R.


O Governo reúne esta terça-feira à noite com os partidos mais à esquerda, e com os quais poderá contar para a aprovação do Orçamento de Estado 2022, cuja primeira votação na generalidade ocorrerá no dia 27 de Outubro e em cima da mesa podem uma vez mais estar medidas anti-taurinas, propostas sobretudo pelo PAN, e com as quais o Bloco de Esquerda (BE) pode alinhar.

Além de algumas medidas a nível fiscal e de políticas para o país, de acordo com o que foi já deixado transparecer por fontes dos partidos envolvidos nas negociações, em cima da mesa poderão estar propostas de bem-estar animal, como a criação de um sistema de saúde animal e a introdução do velcro na tauromaquia.

As informações são para já escassas, mas depois da ‘vitória’ cantada pelo PAN, com o aumento da idade para os espectáculos tauromáquicos, que se situa agora nos 16 anos, o partido sente-se com legitimidade para querer impor mais uma vontade sua na cultura ancestral portuguesa, impondo assim a utilização do velcro.

A utilização do velcro, tudo indica, não seria imediata e teria que existir um período de adaptação, em tempo ainda não estipulado, mas que serviria sobretudo para que o PAN prosseguisse a sua cruzada anti-taurina e cultural em Portugal.

O Governo PS, que neste momento apenas tem garantidos os seus 108 votos favoráveis, refém dos votos dos partidos mais à esquerda, poderá ceder facilmente a esta pressão do partido animalista, a que se iria aliar o BE, o que garantia assim a aprovação do Orçamento de Estado para 2022, que na generalidade se fará com 116 votos dos 230 deputados nacionais.

Recorde-se também, que no próprio PS existe já um documento interno, que visa poder alterar a tradição portuguesa. O documento foi elaborado por Pedro Delgado Alves, e colheu, na altura em 2018, o apoio de muitos deputados, socialistas e não só.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0