Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Escândalo – IGAC permite lide de touros com mais de 6 anos em Évora

  • 2021-10-31 18:56


Touros só não saíram à arena porque Associação de Toureiros interveio a tempo

A Inspecção Geral das Actividades Culturais (IGAC) deu permissão, ao que a acontecer, poderia ser um verdadeiro escândalo na tauromaquia portuguesa, permitindo a lide de touros com mais de 6 anos de idade na corrida que se realizou este sábado, 30 de Outubro, em Évora.

A empresa gestora da Arena d’Évora – NEPE, terá obtido, ao que conseguimos apurar junto de várias fontes, uma ‘permissão especial’, assinada pelo Inspector Geral das IGAC, Silveira Bolheto, que indo contra o a alínea 3 do artigo 30º do Regulamento Tauromáquico – Lei 89/2014, é taxativo ao afirmar que “em qualquer tipo de espectáculo não são admissíveis reses anteriormente lidadas ou com mais se seis anos de idade”, permitindo assim deste modo que à arena eborense pudessem ter saído touros com mais do que a idade regulamentar.

Silveira Botelho, que de acordo com o que o TouroeOuro conseguiu já apurar, ter-se-á escudado num parecer emitido por médicos veterinários, permitiu assim uma alegada violação da lei, que somente foi impedida pela Associação Nacional de Toureiros (ANDT).

Ao ter conhecimento da situação, a ANDT informou de imediato os toureiros anunciados para este espectáculo (Luís Rouxinol, Miguel Moura e João Salgueiro da Costa), que caso lidassem touros com mais de seis anos, violando assim a Lei, não lhe poderia dar cobertura, caso viessem a sofrer alguma lesão, que seria o mesmo que dizer que os toureiros iam actuar sem estar cobertos pelo seguro. De imediato os toureiros, ao aperceber-se da situação, se recusaram a lidar os touros com mais de 6 anos de idade e disso informaram a empresa.

Atitude idêntica teve também a Associação Nacional de Grupos de Forcados (ANGF), cujo um dos sócios da empresa de Évora também integra, ao informar os seus dois associados que actuaram no espectáculo, Forcados Amadores de Santarém e Évora, sobre a situação e sobre a violação dos estatutos internos e do regulamento tauromáquico.

De acordo com o que o TouroeOuro apurou junto de várias fontes, a ANDT investiga também uma outra possível violação do regulamento tauromáquico ocorrida numa importante praça de touros do país, com um outro touro, que poderá ter sido lidado com mais de seis anos, processo que se encontra já em averiguações.

Esta situação, que promete vir a agitar bastante os próximos dias, pode mesmo vir a ser alvo de processos de averiguação por parte do Ministério da Cultura, de modo a que se apurem responsabilidades sobre a violação da Lei que regulamenta o espectáculo tauromáquico e a existência de regimes de excepção ‘injustificáveis’.

Também entre os ganadeiros existe algum desconforto com a situação, pois muitos tiveram que abater os seus touros, muitos deles com muito menos de seis anos, devido à crise provocada pela pandemia que levou a que muitos touros ficassem por lidar.

De acordo com o que sabemos, os próximos dias serão fundamentais para que se apure toda a verdade em torno de mais este verdadeiro escândalo na tauromaquia portuguesa.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0