Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Salvaterra de Magos - Depois da bonança veio a tempestade

  • 2022-07-23 03:21
  • Autor: Solange Pinto
  • Autor da Foto: João Dinis


Realizou-se esta noite de sexta-feira, em Salvaterra de Magos, uma corrida de touros com cartel composto pelos cavaleiros Ana Batista, Marcos Bastinhas e João Salgueiro da Costa, com pegas a cargo dos Grupos de Forcados Amadores do Ribatejo e Alcochete.
Lidaram-se touros da ganadaria Fernandes de Castro, com o tauródromo a registar cerca de um terço forte de entrada.
CRÓNICA DA CORRIDA
GALERIA FOTOGRÁFICA
ASSIM ACOMPANHAMOS EM DIRECTO

Salvaterra voltou a abrir as suas portas de forma a receber aquela que foi a segunda corrida da temporada neste tauródromo ribatejano.

Noite destemperada, com vento… sexta-feira e depois de uma ‘noitada de Campo Pequeno’, poderão bem ser estas as desculpas elegantes para a fraca entrada de público… Um terço forte, ou se mais um pouco, meia casa, não de certeza…

Depois da bonança que foi o Campo Pequeno, veio a tempestade...

Elenco equestre composto por Ana Batista, Marcos Bastinhas e João Salgueiro da Costa.

Inaugurou a função a cavaleira Ana Batista, numa noite que não quererá recordar com toda a certeza. Se é verdade que os toiros que enfrentou, nomeadamente o primeiro, em nada ajudaram ao sucesso do seu labor, dificultando-o em muito, também é verdade que a arte, ofício e inspiração são premissas que ao longo dos tempos têm proporcionado emocionantes actuações de diversos toureiros frente a ‘inimigos’ mansos.
Toques, passagens em falso e por entre tudo isto, ferros apenas a cumprir a papeleta, sem história, sem nada...

Marcos Bastinhas viveu uma noite feliz, em Salvaterra.
O toureiro alentejano recebeu o primeiro à porta gaiola, desenvolvendo a partir daí uma boa actuação, com curtos deixados com entrada ao pitón contrário e remates das sortes com piruetas muito ajustadas e que ‘impactaram’ junto do conclave.
Frente ao segundo, outro êxito, numa função também ela pautada pelo ritmo e alegria, citando em ‘terra-a-terra’, reunindo a preceito, saindo também a rematar as sortes. Terminou uma noite redonda com um par de bandarilhas à passagem pelo corredor.

João Salgueiro da Costa andou em muito bom plano frente aos dois touros que lidou.
A receber os respectivos oponentes, andou em curto, deixando com garbo a ferragem comprida. Nos curtos e também nas duas prestações, andou em excelente plano lidador, em duas actuações muito sérias e coesas, deixando as bandarilhas depois de exímias reuniões, rematando as sortes com classe.

As pegas estiveram por conta dos Grupos de Forcados Amadores do Ribatejo e Alcochete.

Para a cara dos toiros, vestindo a jaqueta dos Amadores do Ribatejo, foram: Bruno Inácio, efectivando ao quinto intento; Rafael Costa, à primeira e; Pedro Espinheira à quinta tentativa (dobrando uma de um forcado e outras duas de outro forcado, ambos conduzidos à enfermaria).
A cara e a cruz, com um prémio no bolso e percalços sofridos.

Representando os Amadores de Alcochete, estiveram na linha da frente, os forcados António José Cardoso, à primeira tentativa; Vítor Marques, à segunda e; Leandro Bravo, ao terceiro intento.

Lidou-se um curro de toiros da ganadaria de Fernandes de Castro, desigualado em trapio, em comportamento, mas com a tónica comum de mansidão. Ainda assim, é inegável que 'estes' toiros têm teclas para se tocar e não deixam ninguém indiferente.

Estava em disputa um prémio para a melhor pega, sendo atribuído ao forcado Rafael Costa, dos Amadores do Ribatejo.

O espectáculo foi dirigido pelo Delegado Técnico Tauromáquico João Cantinho, assessorado pelo Médico Veterinário, José Luís Cruz.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0