Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
  • geral@touroeouro.com

Évora parte 1 - Uma corrida sem imagens...!

  • 2022-07-24 14:01
  • Autor: Solange Pinto/ João Dinis


Saiba tudo o que aconteceu em Évora:
- A ausência de repórteres de imagem (Parte 1)
- A crónica de uma corrida histórica que pode ter marcado a temporada (Parte 2)

Talvez não tenha sido a última vez que o fiz e a primeira não foi… mesmo à revelia da empresa, que me nega o direito de informar, marquei, marcámos presença em Évora.

Sou jornalista com carteira, os fotógrafos do TouroeOuro também e este site, está, claro que sim, em harmonia com todas as exigências legais que regulam o sector da imprensa. É assim há onze anos e continuo a não ver respeitado uma obrigatoriedade tão simples e que até mesmo para o pessoal dos toiros, seria fácil entender: um espectáculo público, deve dar/permitir acesso ao direito de informar, dentro das regras estabelecidas pela Lei vigente.

Acontece que assim não é desde que ali estava a gerir a ‘tabanca’ a Toiros e Tauromaquia e agora com a NEPE, da qual faz parte um pretenso concorrente do TouroeOuro. Sim, pasme-se que só mesmo no Portugal das touradas e dos copos, os empresários podem ter um site e manipular a informação a seu belo prazer, num claro e objectivo conflito de interesses, sem que ninguém se oponha ou questione… Uma literal pobreza do ramo que ontem, chegou ao extremo.

A Arena D’Évora viveu uma tarde absolutamente histórica e a prova-lo, a comparência do público mesmo e quando se fala quiçá e proporcionalmente, dos bilhetes mais caros do país. O espectáculo tinha essa conotação de exaltação aos tempos antigos, à cultura e ‘quem mete a cabeça no buraco’ soube reconhecer que ali estavam três ‘monstros do toureio’…

A imprensa não soube reconhecer… A empresa NEPE também quer assim… quanto menos informação melhor. Exclusividade para o site do menino do site, dos cartazes, da praça, do cavaleiro, das associações do sector, de tudo!

A VERDADE É QUE: A EMPRESA E A SUPOSTA IMPRENSA, COLOCOU OS SEUS INTERESSES, UMA VEZ MAIS À FRENTE DOS INTERESSES DA TAUROMAQUIA.

Vamos por partes:

Parte 1 – A nega da NEPE e a rebelião da imprensa

Foi triste ver começar o espetáculo sem nenhum repórter de imagem que não fosse o irmão do rejoneador Pablo Hermoso de Mendoza.

Explicamos. Não estava ontem entre barreiras, nenhum fotógrafo e os que estavam na bancada, não fotografaram. Rebelião de uma imprensa (ou melhor, dos fornecedores de imagens), que se não estão na trincheira, não marcam comparência. Birras…

Para os mais desatentos, a Praça de Touros de Évora é das que está interdita a fotógrafos, sendo que e por esse motivo, concorde-se ou não com o que a IGAC estabeleceu em Despacho, nenhum OCS poderá estar na trincheira. E…? Fotografem da bancada. Ninguém morre por captar imagens da bancada.

Estes ‘tontos’ colocaram os seus interesses e vaidades pessoais à frente do trabalho que iriam desempenhar. Coisas que não entendo. Assim como assim, também só lá vão, na maioria dos casos, para ver a corrida e vender umas fotos.

Por outro lado e dissemelhante é, que uma empresa, negue ou tente restringir entradas a outros órgãos de comunicação, tentando desta forma manipular informação, encerrá-la numa ‘bolha’ por si comandada e que a vincule a seu belo prazer conforme os interesses que viajam entre as suas valências de feitores de cartazes, organizadores de corridas, gestores de carreiras de cavaleiros e órgão de comunicação. Fazem tudo (não interessa se bem ou mal), dominando e criando desta forma um lobby que pretende monopolizar todo o sector da tauromaquia.

Quem perde com tudo isto? Garanto-Vos que não é o TouroeOuro.

Quem perde com tudo isto é uma Festa onde não há reporte, onde a união é apenas utópica e onde se pretende que a informação se faça sem contraditório.

O que se passou naquela que pode ter sido a mais importante corrida da temporada, não fosse o TouroeOuro contar, ficaria encerrado num capítulo de um site pertencente a um dos sócios da NEPE, que por sua vez, tem interesses com outros apoderados, com outros empresários e com toureiros diversos.

Liberdade de expressão na tauromaquia – não há!

Manipula-se a informação.

Esconde-se a papeleta e agora a juntar a tudo isto, a rebelião dos captadores de imagens!

O TouroeOuro reconheceu a importância da corrida de ontem, em Évora e não se equivocou quanto à sua marca na temporada.

Os ‘tontos’, foram para a corrida em que podiam exibir-se numa trincheira. Atenção, o ToureoOuro está vetado pela NEPE, por motivos que a NEPE nunca conseguiu justificar. Mas ELES não, possivelmente não souberam entender, que:

- Da bancada também se captam imagens

- Da bancada também se pode fazer reporte de acontecimentos e/ou factos

- Da bancada pode respeitar-se, concordemos ou não com as novas regras impostas pela IGAC, a questão da segurança, mas a obrigação que todos temos, quando assumimos o dever de informar.

Por fim, resta dizer que:

- O TouroeOuro debater-se-à até ao fim pelos seus direitos (direito de informar). O TouroeOuro nunca deixará de respeitar as regras de quem é responsável pela sua emissão e validação e sobretudo (mesmo que com elas possa não concordar), o TouroeOuro manterá sempre como prioridade, informar segundo aquilo que considera há 11 anos estar incluso na sua linha editorial.

google.com, pub-5416276538842499, DIRECT, f08c47fec0942fa0